Paulo Franke

30 novembro, 2012

2. Suécia... em Família, no Frälsningsarmén (ES)

Segunda Parte

Visitando nossa filha Martta e sua família, que se mudaram para Estocolmo recentemente.

E por que não homenageá-la nesta postagem??


Em 1977, em Washington, com dois aninhos, impressionada com o painel do homem descendo na Lua! 


A menininha que nasceu no Rio Grande do Sul, viveu sua infância mais em São Paulo.


Conforme me falou, um dos tempos preferidos de sua adolescência foi quando trabalhamos em Jacutinga, sul de Minas, em 1987/89. Na foto, na varanda de nossa casa estilo campestre (lembrando a paisagem de montanhas a perderem-se de vista, foi  para mim um dos mais belos lugares onde já vivi).


Morou em muitas cidades e até países, mas foi encontrar o seu noivo, também gaúcho, quando fomos viver durante um ano no Rio Grande do Sul, em 1993. Na foto, o casamento gaúcho, em 1996!


Gosto desta sua foto de jovem senhora, à beira do rio Sena, em Paris (2012)

_____________

Um dia fiz um acróstico com o nome de cada filho; o dela - que tem o nome da avó Martta e como segundo nome o segundo também de sua mãe, Ritva - foi este 
(os dos outros virão eventualmente):


M otivada
A bençoada
R ara
T rabalhadora I
T rabalhadora II
A rtista

R ealizadora
I nternacional
T alentosa
V alente
A migável

_______________________________

Como foi bom ser novamente hospedado por eles!






A bela casa deles evidencia o quanto é criativa, mas porque seu nome não tem a letra c, não constou no acróstico esta outra qualidade que lhe é peculiar.


Seu nome, do finlandês, é com dois TT... e coloquei no acróstico "trabalhadora em dose dupla". Até o pai ela fez "colocar a mão na massa", pela primeira vez na vida, quando preparou quitutes para o bazar de Natal do ES e da escola dos filhos.


Torta salgada com presunto e queijo, e a famosa "pulla" doce finlandesa (quem quiser a receita, tenho certeza de que ela a enviará com prazer).


Os queridos netinhos, que falam português em casa, inglês e finlandês, agora diante deles o desafio de aprender o sueco no novo país, o mesmo que aconteceu com meus filhos quando fomos morar em Åland, história que se repete.


Esta semana, a primeira neve pra valer na Suécia.


A neve faz a alegria das crianças...


... e o trabalho dobrado das mães que vivem em países "brancos" no inverno, principalmente quando têm filhos pequenos!


Este simples panô - com o versículo de Provérbios 31:21 sobre a mulher virtuosa - desenhei para homenagear as mulheres da família e até hoje está em um canto de nossa casa. Significativo o "lã escarlate", que interpreto como o sangue protetor de Jesus.

_________________

Martta Ritva, que com meu genro cursou o seminário do Exército de Salvação em Helsinki, é formada pela Universidade de Oulu em

Master of Arts · Swedish · English Philology 




Sua tese de mestrado, encadernada e exposta na nossa sala, tem um nome longo, mas é muito interessante:

INTERPRETATIONS OF POLYSYLLABIC LATINATE ENGLISH LEXICAL ITEMS - BY NATIVE SPEAKERS OF ENGLISH, FINNISH AND PORTUGUESE (A COMPARATIVE RESEARCH)

_____________________________



Minha viagem à Suécia não foi somente de caráter pessoal e familiar, mas incluiu também uma missão junto ao Corpo de Södertälje, que dirigem no momento.







O momento quando eu pregava em sueco no domingo passado pela manhã (não deu para tremer porque já fui "atirado n'água" desde que cheguei à Finlândia, enfrentando o púlpito, por seis anos, no Templet sueco. Mas se alguém perguntasse, digo que prefiro pregar em português, naturalmente, e depois em inglês e por último em sueco).



Meu genro teólogo, Leandro, que tem também o degree de mestrado em Educação e Globalização, posa ao lado de duas pessoas que foram alistadas soldados do ES no domingo passado, os primeiros a se tornarem salvacionistas  no curto tempo deles como dirigentes - há somente três meses - uma brasileira e uma finlandesa, bem significativo!


Um dos músicos da banda do Corpo presenteou-me com um CD da banda.

________________________ 

Próximas duas postagens da série Suécia:

3. Passeando pela bela Estocolmo.

4. Lembrando a Copa 58...  O filho sueco de Garrincha.

e

A casa da sueca Greta (Gustafson) Garbo.

________________________

Vi ses... Nos vemos...

 Marido, pai, sogro e avô reconhecidamente "coruja"!

_________________________


6 Comments:

  • Uma vida, Uma História!
    Parabéns!!!
    aBRaços!

    By Blogger Maria Thereza, at sábado, dezembro 01, 2012 4:37:00 PM  

  • Li os teus ultimos artigos sobre a visita à Suécia. Há um certo "mistério" nesses países de clima frio e faz sonhar, quando se está numa boa. Muito bonita a casa da Martta e Leandro, também os teus netos.
    NFF

    By Blogger paulofranke, at sábado, dezembro 01, 2012 5:48:00 PM  

  • Vi as fotos e relembrei os dias que passei em vossa casa em Jacutinga...que benção!
    Zetó (Portugal)

    By Blogger paulofranke, at sábado, dezembro 01, 2012 5:52:00 PM  

  • Bah, pai! Que linda a postagem e que homenagem me/nos prestaste. Muito obrigada!! Nao precisava tanto... Foi otima a tua visita. Volte sempre, ja que eh perto e nao tao caro! Na proxima x a gte inventa mais receitas. Abraco grande. Marttinha

    By Anonymous Anônimo, at domingo, dezembro 02, 2012 12:34:00 PM  

  • Coruja???
    Bem faz em ser. Nossos filhos são presentes divinos! Que linda homenagem!Merecida.
    E nessa "barca" lá fomos nós presenteados também com mais um lindo passeio!

    By Blogger Yara, at domingo, dezembro 02, 2012 4:14:00 PM  



  • Puxa Vida... Certamente que não me conhece... Mas tive a oportunidade de conhecê-lo lá pelos idos de 1900 e antigamente. Morava em Volta Redonda,RJ e minha mãe Yvone sempre falava em Voces. Isso faz muito tempo mesmo. Fiquei feliz em ver tantas novidades, sua esposa quando tocava pandeiro... as panelas do natal no Meier...Só maravilhas e saudades. Felicidades!Foi muito bom ver tudo isso. Obrigado, Valeu! ! !

    By Anonymous dirce, at sexta-feira, fevereiro 08, 2013 6:47:00 PM  

Postar um comentário

<< Home