Paulo Franke

09 outubro, 2014

10. VIENA, Áustria... BRATISLAVA, Eslováquia...

(Uma postagem leve antes de uma pesada que vem aí, a próxima...)


Chegando a Milão em um trem de alta velocidade, fui imediatamente reservar minha viagem para Paris, como planejara. "Terá que pagar 
€ 90.00, e os próximos trens estão lotados", foi a resposta de quem me atendeu. "Esta exigência", acrescentou, "nada tem a ver com Milão, mas com Paris". Tive que pensar rápido e decidir por outro destino, já que ficara à espera de ser atendido por quase 1 hora... Perguntei para onde haveria trem noturno com lugares disponíveis e quando a resposta foi Viena, é para lá que embarquei quase que imediatamente. Deletei, assim, da minha mente os lugares que pensava visitar em Paris, nos quais nunca estivera antes, uma pena! O pior foi desfazer minha reserva no hotel social do Armée du Salut (ES), que de tão boa vontade me fora cedido gratuitamente por três dias...



Ir à bela Austria é sempre uma idéia bem-vinda, mas desta vez não passei por Salzburgo (ver link da tour pelos locais da "Noviça Rebelde"/Sound of Music). Estava vindo de Milão direto para Viena, na fronteira com a República Tcheca, e desta vez não haveria problema de ser barrado na fronteira (ver outro link), pois agora o Brasil mantinha relações diplomáticas com aquele país, que inclusive visitei em 2012, no congresso europeu do ES. E haveria desta vez a curiosidade de conhecer um outro país vizinho, a Eslováquia.


Pela manhã, as paisagens do Tirol nos saúdam pela janela...





Até que chegamos na Estação Central de Viena, de fato na Estação Viena Meidling, o que não gravei e me criou um problema mais tarde no dia... Ali, deixei minha maleta no locker e "fui passear".


Algumas horas para aguardar o trem para Bratislava, na Eslováquia.


A surpresa de rever o Danúbio azul.


Indicativo de que estou na terra de Strauss.


Durante longo trecho, as turbinas eólicas, que se assemelham a cataventos gigantes...


... na paisagem plana poderia ser a dos pampas gaúchos.


Depois de duas horas de viagem, em Bratislava, nas duas fotos do Google.


A cidade-velha que atrai muitos turistas, mesmo finlandeses, durante o Natal.


Típicas torres de igrejas austríacas, também aqui.


Diante do palácio do presidente.


Fiz uma boa caminhada pela "badalada Bratislava"(difícil de falar!) com o olho no relógio, pois tinha um dia só para estar em Viena e partir no trem noturno para outro país.


Sem nada definido para ver em Viena, já visitada na primeira InterRail e também porque tive de mudar o destino às pressas, voltando à cidade precisava urgente reabastecer meu estômago... e assim comi noodles/"miojo" enriquecido com frango em um restaurante oriental ao ar livre. Delícia pura!


Decidi rever a bela Casa da Opera e, na longa caminhada até lá, pela Argentina Strasse, ver o que encontrasse de bonito ou curioso. E a primeira coisa foi este Fusca conversível. E me lembrei do "austríaco Hitler que roubou o projeto do Volkswagen de um judeu"... (ver  link abaixo).


A foto a propósito de parentes que moram em Lins-SP, mesmo sabendo que a Lins paulista vem de Lins de Vasconcelos.


Bem que seria interessante assistir a um concerto neste teatro.


Lugarzinho pitoresco típico de Viena.


E enfim cheguei à Casa da Ópera.


... mas só para admirar o lindo prédio de 1897.


O rapaz com roupa típica austríaca divulga o espetáculo da noite. Danke! falei-lhe quando concordou que o fotografasse.



Caminhando mais um pouco, cheguei ao enorme prédio da Biblioteca Nacional diante de um parque.


A clave de sol no lindo canteiro em uma tarde de sol, mais esta grama verdezinha, mais muita gente espalhada pelo parque à frente do prédio, alguns deitados...



... convidaram-me a fazer o mesmo.


Como eu precisava ficar na horizontal! Assim, não hesitei e...


... sem o barulho de crianças típico de parques poderia dormir que nem um anjo. Mas um pensamento atravessou-se em minha mente do tipo "e se dormisse, cansado que estava, e roubassem minha bolsa que me servia de travesseiro e nela dinheiro, passagem da InterRail, passaporte?"


De repente - providência divina para eu não adormecer? - ouvi pelo alto-falante o mesmo que ouvira naquela única tarde em Paris. Só que, em vez de forró, latinos dançando salsa - acho que sim - e ensinando turistas a fazerem o mesmo. Parece que virou moda na Europa! Se fosse alguma valsa de Strauss eu certamente teria adormecido, cansado que estava, mas com ritmo latino por certo que não.


Levantei-me, sacudi a grama presa à roupa e continuei a minha caminhada sem break horizontal a não ser por breves momentos.



Eu teria mais um trem noturno pela frente e dormiria - ou cochilaria - nele. Agora era hora de abrir os olhos...


... e apreciar as belezas de Viena.


Os souvenirs de classe, também o preço... que fique para turistas ricos comprarem.


Nesta vitrine lembrei-me da netinha bailarina. E diante da Casa da Ópera novamente, que pode ser vista refletida na vitrine, lembrei-me do netinho que canta no coral "Cantores Minores" em Helsinki.


E para lembrar a netinha doceira, torta de nozes vienense... que ficou "pavê", só para ver na confeitaria, pois de fato não deveria comer doce... (foto degustaredaxuxu.blogspot.com)


E falar em lembrar, alguns saberão de quem me recordei ao ver este carrinho que mulheres jovens se recusam a usar, mas que algumas mais velhas não hesitam em andar por todos os lugares com ele em cidades européias, não sei se no Brasil... Por aqui ele é indicativo de que  a mulher não é mais jovem, rsrsrs.


Mais souvenirs de classe.


Felizmente, chegando cedo na estação central de Viena - ainda parcialmente em construção - fui buscar minha mala, para ser informado por funcionários que ainda não havia locker/maleiro naquela estação. Cansado, fiz diversas tentativas de reconhecer o vasto lugar onde eu depositara minha mala... Depois de um certo estresse, conclui, conversando com um guarda, que possivelmente eu usara o locker da Estação Viena Meidling... e, convencido e mais aliviado, tomei o tram que me deixou lá.


Cheguei a bom tempo na Wien Meidling e, tendo retirado minha mala, pouco tempo depois eu estava na plataforma do trem que me levaria, em mais uma viagem noturna, ao próximo destino: Varsóvia, Polônia. E comentando sobre trens noturnos, há a possibilidade de se reservar couchetes, mas preferi os compartimentos onde o banco reclina um pouco, pois couchetes significam ficar em um compartimento com seis pessoas em beliches, dormindo, talvez roncando... e ainda pagando extra.

__________________


Pensando no meu próximo destino, lembrei-me de postar aqui a foto de minha primeira vez em Viena, em 2001, quando obtive o telefone do escritório de Simon Wiesenthal, o famoso "caçador de nazistas" e... basta ler (na foto pequena ele com o ator que o interpretou em um filme sobre sua vida).



* Algumas fotos da primeira visita a Viena*



Sissi, a imperatriz interpretada em filmes por Romy Schneider, é a grande dama de Viena.


Novamente, não fui visitar o Castelo Schönbrunn.



Estive, sim, diante de outro castelo de Sissi no centro de Viena.



Pf treze anos mais jovem, mas sempre com o pé na estrada.


Aqui, pela primeira vez diante do rio Danúbio.


Um postal que mostra a foto, a casa onde nasceu e o monumento a Johann Strauss.

O tempo quando era moda os homens-estátuas, do qual tirei a foto na ocasião, o que não se vê mais na Europa.
___________



Naquela primeira vez na Áustria, a tour às locações do filme "Noviça Rebelde" marcou muito:


Outros links:

Quando fui barrado de entrar na República Tcheca:

*

O projeto do Fusca roubado:

*

Se quiser mais info sobre Bratislava:


*****

Próxima - dramática - postagem:

Visita ao Campo de Concentração de Sobibor, na fronteira da Polônia com a Ucrânia.

*

5 Comments:

  • Repito o que escrevi há pouco: muito boa narrativa e excelente fotos. Uma marca habitual...
    Adorei, em especial, o VW conversível... Hehehe...
    Ah, não vejo por aqui aquela bolsa sendo utilizada por mulheres, sejam maduras ou jovens. Mas crianças usam parecidas para levar seus materiais escolares... Hehehe...
    aBRação!
    :-)

    By Blogger Vitor Rolf Laubé, at quinta-feira, outubro 09, 2014 11:52:00 AM  

  • Queres dizer, primo Vitor, aquele carrinho-bolsa?

    By Blogger paulofranke, at quinta-feira, outubro 09, 2014 1:20:00 PM  

  • wowwww...Como é maravilhoso ver, falar e ouvir sobre Viena!!! Sou apaixonada pela Áustria! Quase saí do Rio de Janeiro para ir viver em Salzburg...lá pelos anos de 90. Adorei o sonho de partir e lá viver!!Porem o coração não me deixou ir embora, mas logo irei com certeza! Sinto que não tenha visitado Schloß Schönbrunn. É um espetáculo!
    Minha loucura pela terra de Áustria vem da sua tradição , respeitada até hoje, sem falar da música, doces e beleza...e a Noviça Rebelde??! E Edelweiss? Como não amar essa terra de pura beleza?
    É triste lembrar que pessoas ruins da história possam ter nascido em terras tão lindas!
    é vida que segue....
    Quanto aos carrinho, tem uns por aqui, muito parecidos, que são usados para fazer compras em mercado e feiras. Parecido, não tão bem acabados! Rsrsrsrs
    Como sempre, parabéns! E vamos a próxima!
    aBRaços!

    Feliz aniversário Atrasado!!!! :o)

    By Blogger Maria Thereza Freire, at domingo, outubro 12, 2014 5:49:00 AM  

  • Adorei meu amigo, o Danúbio Azul lindoooo, sua referência a Sissi (amei!).

    Minha avô amava usar aqueles carrinhos principalmente quando ia as compras em feiras e mercados!
    Que viagem maravilhosa!

    By Anonymous evelize cristina, at domingo, outubro 19, 2014 7:24:00 PM  

  • Lindo post, amei! A bela Áustria, Sissi, o Danúbio Azul, maravilhas que amo demais. Que vida sensacional a sua, viajando por lugares belíssimos e repletos de história. Obrigada por compartilhar estes momentos....

    By Blogger Marlene M, at terça-feira, janeiro 20, 2015 11:11:00 PM  

Postar um comentário

<< Home