Paulo Franke

02 fevereiro, 2016

Post 06 - Na DISNEYLÂNDIA, o primeiro parque de Walt Disney

Post 06

A primeira revistinha do Pato Donald no Brasil.


Quando adolescente, colecionei O Pato Donald e ia buscar na loja cada novo número. Um dia o anúncio de um concurso que premiava o ganhador com uma viagem à recém-inaugurada Disneylândia, em 1955, fez-me correr e comprar um brinquedo Estrela, que o promovia, colar uma estrela no cupom e ir aos correios às pressas. E por semanas aguardei ser contemplado para, com certa frustração infantil, ver a foto do ganhador: um menino chamado Adalberto, da minha idade, que morava em São Paulo.
Guardei por muitos anos a coleção, que para aliviar bagagem ao voltar para o Brasil  certa vez foi parar na lareira. Um dia, no meu caminho para a Austrália, em 1982, e passando por Hollywod, fiz questão de ir à Disneylândia... Só que, lá chegando, a saudade dos três filhos quase que me deu "deprê" e procurei algo que me trouxesse emoção forte para, quem sabe, me livrar dela, e fui à aterrorizante montanha russa espacial... uff! nunca mais!

~~~~~~~

Nesta segunda vez na Califórnia, novamente fiz questão de visitar a Disneylândia, meio prevenido contra a incômoda saudade caso pintasse... Mas, naturalmente, não veio, pois os filhos já são adultos há muito tempo e, por sua vez, têm tido a oportunidade de levar os seus filhos para divertirem-se nos maravilhosos parques de Walt Disney.




Um ônibus-shuttle veio buscar-me no hotel e depois de uma hora lá estávamos.


Feliz, apesar de que minha esposa rira de mim quando lhe contei pelo Facebook qual seria o passeio do dia.


No ano 2015 a Disneyland completou 60 anos.


Quando o parque tinha 27 anos e eu 39 estive lá pela primeira vez.



E agora vim comemorar naquele dia ensolarado típico da Califórnia...


... enquanto que na Finlândia fazia 25 graus negativos!


Depois da Main Street...


... inaugurada nos 60 anos, a estátua de Disney e Mickey.



Antes de prosseguir o passeio nostálgico, que terminaria no fim do dia, um brownie decorado, e uma Coke light.


Por uns momentos dei uma olhada no mapa do parque com suas seis divisões (apesar de grande, o da Disneyworld, na Flórida, ainda é maior.)
 

Mas antes, um pouco de história... neste banco, passeando em um parque com suas filhas, Walt Disney teve a idéia-sonho de construir um parque em que toda a família pudesse passear e divertir-se junta.


A placa no banco comemora o sonho que com a Disneyland tornou-se realidade.


É hora de tomar o caminho da Frontierland...
 

... a uma atração previamente escolhida: "Trilhos da Montanha Grande Trovão" ou também chamada de "A mina".


... onde eu gostaria de andar com meu neto mais novinho, e inclusive falei para ele pelo skype...
 

... portanto, imaginei-me todo o tempo com ele ao meu lado no banco. 
 

Mas, pensando bem, não era tão suave como eu imaginava...


... e este pó explosivo de mentirinha ilustra um pouco a chacoalhação que senti no corpo inteiro parecendo desconjuntado.


O lindo barco do Mark Twain não estava em funcionamento naquele dia.
 

Pena, pois lembro-me de ser uma grande - e relaxante - atração após a "mina", que pode ser vista atrás...
 

... e nele navegar ao som de músicas da época.


Bastou, então uma lembrança fotográfica.


Como também da interessante casa assombrada - Haunted House - que não estava aberta naquele dia, então no "baú" busquei uma foto do passado na Disneyworld, com ela ao fundo.


Mas no excelente "Piratas do Caribe" diverti-me novamente...


Conclui somente que tirar fotos no seu interior não funcionou, assim guardo fotos, também da casa assombrada, nos slides da Disneyworld desde 1985, quando lá estivemos ao irmos morar em New Jersey.


Na Disneyworld, em 1977, com Marttinha.



A Frontierland faz conexão com a Adventureland.



Lembrei-me dos Tarzans da infância vistos no cinema, mas poupei minhas pernas e não subi na casa da árvore.


Uma bonita sacada lembrando Nova Orleans.


E assim fui para a parte bem central da Disneyland, o castelo da Bela Adormecida, que Disney se inspirou ao visitar um castelo da Bavária, ainda não visitado, e talvez nunca.


Naquele momento, personagens de Disney desfilavam.


... ao som de uma das muitas bandinhas do parque.


A "Terra do Amanhã", passada de largo...


E que tal andar neste treco, pensei... e o cansaço respondeu: "pra quê?"


Minhas netinhas menores teriam gostado de deparar-se com a Alice-do-país-das-maravilhas... daí a foto para elas.


A partir do castelo, as casas são à la Europa antiga, numa perfeita conexão.


Até certo ponto familiares de minhas viagens.


"Voos de Peter Pan", meu heroizinho da infância... lá vou eu!


Embarcando no tipo carrinho-que-voava, ao sobrevoar Londres, cantei junto "Ah! como é bom voar!"... surpreendendo a mim mesmo... com a voz embargada.


Como pessoas mais velhas - todas, será? - conseguem trazer a infância tão perto!


Valeu, Peter Pan, o menino que se recusou a crescer!  Será que tenho um pouco dele? rsrs... pelo menos a ter uma mente velha eu me recuso.



Belas flores por toda a parte, para lembrar minha esposa.


 Olhem a arquitetura, que maravilha!


A criatividade de Disney, juntamente com sua equipe, não teve limites.


Europa antiga, sim!



Beleza pura!



Mas telhados deste tipo só na Disney!


Uma voltinha para ver Pinochio, e sua história sempre atual e aplicável a crianças... e jovens.



Os "desencaminhadores"... pior que isto não é fantasia!



O teatro de marionetes de Stromboli.


O restaurante do Pinochio.


Ah! estes belos telhados britânicos de cujo nome me esqueço!


Outro do tipo. Também a fantasia imita a realidade.


Belos cavalos, do tipo britânicos ou islandeses?


Bonito ver passar bondes de antigamente!


As torres do castelo são vistas de qualquer lugar.


Voltando à terra da aventura para almoçar...


Outro fish and chips, gostoso mas com cara feia...


E, curioso, entrei em um teatro...


... bem típico dos filmes de cowboys.


E começou o show.


Mas quando vi o tipo no palco...


... e quando começaram a escolher pessoas da plateia para fazerem parte do show - inclusive a mim - dei o fora daquele cabaré conhecido de filmes de faroeste. Sai de mim!
 

O banco, já comentado, onde nasceu a idéia da criação da Disneyland.


Visitando um departamento com exibição dos primórdios.


Suas histórias, nem sempre originais, eram copiadas dos irmãos Grimm, James Matthew Barrie (Peter Pan) e outros.


Sua grande criação, o camundongo Mickey.


Ao fundo, uma mostra de um escritório dos desenhistas de Disney.


Quadros das divisões da Disneyland.


O simpático Mickey Mouse


Pato Donald e Margarida.


Tudo bem documentado. Mas, pena, na primeira vez em que lá estive vi o Oscar que Disney ganhou por Branca de Neve e os 7 Anões, não mais em exposição.


De repente, ouvi barulho lá fora e deparei com Mary Poppins...


... e os limpa-chaminés da história que conheço muito pouco.


E, à entrada, uma linda banda tocando me atraiu.


De fato, tocavam muito bem!


A foto para homenagear o meu filho trombonista!!


Um cinema antigo, com a moça da bilheteria em cera, mostra...


... os primeiros desenhos de Walt Disney...


... com a Clarabela e João Bafo-de-Onça.


Na coleção antiga de filmes mudos de meu pai havia alguns desses, e posso até sentir o cheiro do celulóide e o barulhinho da máquina Pathé rodando-o.


Muitas lojas vendendo produtos com motivos Disney... quase comprei esta T-shirt para a Anneli, rsrsrs


Bonitos os bonés!


"Eu não gosto de manhãs", uma camiseta com o Zangado que muita gente poderia usar, rsrsrs


Caminhando bem à vontade no parque, color-ducks...


Vinham bem perto de onde eu, sentado, descansava.


Bonitos, existem também aqui na nossa cidade, e às vezes andam dos lagos até algumas ruas em total liberdade.


Querendo anoitecer... ah! mas quero ir ainda no "It's a small world"!


Longa fila, mas nela entrei pois o show é imperdível!


Também me lembro de meus filhos, encantados, apreciando-o...


... bonecos de todas as partes do mundo.


"It's a small world after all!"... a música mescla com o "Jingle Bells", lembrando o recente Natal.


Pelo mesmo motivo, câmeras pouco captam o maravilhoso show no interior...


... deste grande set.


Agora, com as luzes...


De repente, já um tanto cansado, vi que não visitei este setor, Mickey Toontown...


A "cidade de Mickey e Minie", infantil mas bem bonita!



A casa do Mickey.


Uma atração nova nos parques da Disney, certamente.


O relógio e a lua...


Hora da parada final... atravessei o castelo e fui tentar assisti-la.


O castelo iluminado, mui belo! 


A parada iluminada. 


Um tanto artificial, mas bonita mesmo assim.


Belos carros alegóricos.




Meu netinho certamente viu isto e gostou!


Interrompi a parada, só fotografando meio ao longe os espetaculares fogos tradicionais que encerram o passeio, e me dirigi ao local de encontro do ônibus que nos levaria de volta aos respectivos hoteis... E eu imaginando o quanto iria dormir profundamente após tantas horas de passeio! Mas que valeu, valeu!
 

Piadinha... É aqui o meu quarto? De tanto sono, mal o reconheço!! 

z z z z z z z z z z z 


L i n k s

A primeira vez em que fui a um parque Disney com um neto:


"Aquarela do Brasil", desenho com Zé Carioca, Pato Donald e... 
Carmen Miranda:


Quando Walt Disney e sua equipe foram ao Brasil:

http://veja.abril.com.br/blog/sobre-imagens/fotojornalismo/walt-disney-no-brasil/

___________________________

The last but not the least



Shirley Temple em 1939 entregando um Oscar especial, acompanhado de 7 mini-estatuetas para Walt Disney, pelo filme "Branca de Neve e os 7 anões".

_________________________


Próxima Postagem:
 
O Chinese Theater e o Estúdio de Charles Chaplin


2 Comments:

Postar um comentário

<< Home